Os perigos da falta de cuidados com os alimentos

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 582 milhões de pessoas adoecem anualmente por ingestão de alimentos contaminados. De todos que acabam doentes, 351 mil perdem a vida, sendo mais de 40% crianças com menos de cinco anos.    

Não bastasse isso, diante do aumento dos produtos industrializados, comércio e distribuição globalizada, os riscos para a saúde se tornam ainda maiores.   

Se algum tempo após o consumo algum alimento, surgir a sensação de febre, cólicas, dor abdominal, náuseas, diarreia e vômitos, pode ser um sinal de intoxicação alimentar. A doença é causada pela ingestão de produtos que contêm organismos prejudiciais ao corpo, como bactérias, parasitas e vírus, que podem ser encontrados em carnes cruas, frango, peixe e ovos, e se espalhar por qualquer outro tipo de alimento.    

  

Os sintomas da intoxicação podem surgir horas ou dias após o consumo. Na maioria das vezes, o próprio corpo se encarrega de se livrar do organismo indesejado naturalmente. Nos casos mais graves, pode haver fraqueza, dormência, confusão ou formigamento na face, mãos e pés, entre outros. Diante disso, a procura do auxílio médico é fundamental.  

A intoxicação, muitas vezes, pode acontecer com alimentos que são deixados ao ar livre ou armazenados por muito tempo. Não menos importante é a higienização na hora de manipular os produtos. Simples cuidados como lavar as mãos antes de tocar na comida são essenciais para garantir uma refeição segura e saudável. 

2017-06-02T17:33:00+00:00junho 2017|Categoria: Sem Categoria|